Maestro Frotas -

Nossos Serviços

A Maestro Frotas faz a gestão da sua frota própria, com todo a tecnologia e know-how que possuímos.


  • Frotas Operacionais e Executivas
  • Frotas de Caminhões
  • Equipamentos Agrícolas
  • Projetos Especiais
Saiba Mais




Vantagens Maestro

A Maestro Frotas se encarrega de: Aquisição, Documentação, Multas, Gestão,
Logística, Cuidado com o usuário, Cuidado com a frota e ainda temos um Pós Venda Especializado.



Saiba Mais
A Maestro oferece serviços especializados para ajudar sua empresa a encontrar a melhor opção de gestão de frota.






Terceirização de Frotas pode ajudar seu negócio a não entrar na crise?

Hoje em dia, muito se fala em terceirização, também conhecido como Outsourcing (terceirizar em inglês). O processo de terceirizar nada mais é que transferir as atividades secundárias da empresa, para uma outra empresa especialista naquela atividade.



Saiba Mais




Fale Conosco



Trabalhe Conosco

Envie seu CV para:
rh@maestrofrotas.com.br

Localização

Avenida Queiroz Filho, 1560 - Torre Beija Flor
2º andar – conj. 219
(11) 4785-0200 contato@maestrofrotas.com.br

Newsletter

RECEBA NOVIDADES




Maestro Frotas mira IPO em até 3 anos

São Paulo – A Maestro Frotas, que acaba de se listar no Bovespa Mais, segmento de acesso da BM&FBovespa, planeja lançar sua oferta inicial de ações em um prazo de dois a três anos, informou o presidente da companhia, Fábio Lewkowicz.

“A empresa está muito estruturada e capitalizada para capturar crescimento”, afirmou, antes de cerimônia de listagem da companhia, na sede da Bolsa. Trata-se, assim, de uma listagem sem oferta de ações, mas com comprometimento em governança corporativa.

A Maestro é a nona companhia a se listar no Bovespa Mais.

Lewkowicz explicou que, desde que o fundo de private equity Stratus entrou no capital da companhia foi feito um trabalho para implementação de governança.

“As exigências da listagem são muito próximas do que tínhamos. Como a Stratus já tem know how de levar empresas ao Bovespa Mais, como a Senior Solution, a expectativa que temos na Maestro é de mais tarde fazer o IPO”, disse.

A Stratus investiu na companhia em 2011 e possui atualmente 77% de participação.

A Senior realizou seu IPO após ter se listado no Bovespa Mais em 2013. A companhia captou na época cerca de R$ 55 milhões, valor baixo perto dos IPOs que costumam acontecer na bolsa brasileira, mas foi considerada um sucesso pelo mercado.

O presidente da Maestro disse que outra intenção de se listar no Bovespa Mais é deixar a empresa preparada para quando houver uma boa janela de oportunidade, para poder, assim, aproveitar o momento quando ele chegar.

O executivo disse que o setor em que a companhia atua é altamente pulverizado e que existe, de fato, uma tendência de consolidação.

A expectativa de um IPO no futuro, inclusive, vem nessa esteira, de permitir um leque maior de aquisições.

Antes do IPO, porém, a companhia poderá fazer uma nova emissão de debêntures, para financiar a estratégia de crescimento via aquisições.

Caso surja a oportunidade de uma aquisição de maior porte, poderá analisar antecipar sua emissão de ações.

O diretor de Relações com Investidores da Maestro, Carlos Alves, disse que, depois de estar listada no Bovespa Mais, a companhia poderá até mesmo tentar custos menores de captação via emissão de dívida em uma oferta pública.

No início deste ano a companhia realizou sua primeira emissão de debêntures, em uma oferta restrita.

Alberto Camões, da Stratus, e presidente do Conselho de Administração da Maestro, disse que realizar a listagem antes do IPO é um passo relevante para manter a companhia preparada para realizar seu IPO.

“Há muitos benefícios”, disse, lembrando que os custos adicionais não são relevantes, mesmo para empresas menores, ainda mais em uma empresa investida por um fundo de private equity, em que itens de governança acabam sendo implementados ao longo do processo. “Em tempos de economia mais difícil queremos preparar novas empresas”, destacou.

Bovespa Mais

A Maestro se unirá a Altus, BIOMM, Desenvix Energias Renováveis, Nortec Química, Quality Software, CAB Ambiental, Nutriplant e Senior Solution no segmento Bovespa Mais.

Antes dela, a listagem mais recente no Bovespa Mais fora em fevereiro do ano passado, da empresa de tecnologia Quality Software, incentivada a realizar o movimento pelo sócio BNDESPar, braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Das empresas listadas hoje no Bovespa Mais, seis têm o BNDESPar como sócio.

Na fila para uma oferta no Bovespa Mais ainda neste ano, segundo apurou o Broadcast, estão a varejista de materiais de construção BR Home Centers e a Inbrands, dona das marcas Ellus e Hercovitch, mas essas deverão realizar a oferta ao ingressarem no segmento, possivelmente com ancoragem no BNDESPar e também de fundos específicos para pequenas e médias empresas (PMEs), já captados.

O diretor executivo de Produtos da BM&FBovespa, Eduardo Guardia, disse, na cerimônia de listagem da Maestro, que a listagem no Bovespa Mais funciona como uma vitrine do mercado de capitais, para ampliar a visibilidade da companhia.

“Não existe uma diferenciação de regras de governança em relação ao Novo Mercado. A única diferença é que há um tempo mais para adequação”, disse Guardia.

Além disso, no ano passado, para tentar incentivar o acesso de PMEs, foi publicada uma Medida Provisória (MP), a MP 651, que dá isenção de Imposto de Renda a pessoas físicas sobre ganhos de capital auferidos na venda de ações de PMEs.

Para ser elegível aos incentivos dados pela MP, entre outros pontos, a PME deve ter no momento do IPO um valor de mercado não superior a R$ 700 milhões e receita bruta do exercício anterior à abertura de capital de até R$ 500 milhões.

Além disso, a ação deverá ser necessariamente listada no Bovespa Mais ou no Novo Mercado.

Fonte: www.exame.abril.com.br





Maestro Frotas, listada no Bovespa Mais, projeta IPO em prazo de 2 a 3 anos

São Paulo, 17/06/2015 – A Maestro Frotas, que acaba de se listar no Bovespa Mais, segmento de acesso da BM&FBovespa, planeja lançar sua oferta inicial de ações em um prazo de dois a três anos, disse o presidente da companhia, Fábio Lewkowicz. “A empresa está muito estruturada e capitalizada para capturar crescimento”, afirmou, antes de cerimônia de listagem da companhia, na sede da Bolsa. Trata-se, assim, de uma listagem sem oferta de ações, mas com comprometimento em governança corporativa. A Maestro é a nona companhia a se listar no Bovespa Mais.

Lewkowicz explicou que, desde que o fundo de private equity Stratus entrou no capital da companhia foi feito um trabalho para implementação de governança. “As exigências da listagem são muito próximas do que tínhamos. Como a Stratus já tem know how de levar empresas ao Bovespa Mais, como a Senior Solution, a expectativa que temos na Maestro é de mais tarde fazer o IPO”, disse. A Stratus investiu na companhia em 2011 e possui atualmente 77% de participação.

A Senior realizou seu IPO após ter se listado no Bovespa Mais em 2013. A companhia captou na época cerca de R$ 55 milhões, valor baixo perto dos IPOs que costumam acontecer na bolsa brasileira, mas foi considerada um sucesso pelo mercado.

O presidente da Maestro disse que outra intenção de se listar no Bovespa Mais é deixar a empresa preparada para quando houver uma boa janela de oportunidade, para poder, assim, aproveitar o momento quando ele chegar.

O executivo disse que o setor em que a companhia atua é altamente pulverizado e que existe, de fato, uma tendência de consolidação. A expectativa de um IPO no futuro, inclusive, vem nessa esteira, de permitir um leque maior de aquisições.

Antes do IPO, porém, a companhia poderá fazer uma nova emissão de debêntures, para financiar a estratégia de crescimento via aquisições. Caso surja a oportunidade de uma aquisição de maior porte, poderá analisar antecipar sua emissão de ações. O diretor de Relações com Investidores da Maestro, Carlos Alves, disse que, depois de estar listada no Bovespa Mais, a companhia poderá até mesmo tentar custos menores de captação via emissão de dívida em uma oferta pública. No início deste ano a companhia realizou sua primeira emissão de debêntures, em uma oferta restrita.

Alberto Camões, da Stratus, e presidente do Conselho de Administração da Maestro, disse que realizar a listagem antes do IPO é um passo relevante para manter a companhia preparada para realizar seu IPO. “Há muitos benefícios”, disse, lembrando que os custos adicionais não são relevantes, mesmo para empresas menores, ainda mais em uma empresa investida por um fundo de private equity, em que itens de governança acabam sendo implementados ao longo do processo. “Em tempos de economia mais difícil queremos preparar novas empresas”, destacou.

Bovespa Mais
A Maestro se unirá a Altus, BIOMM, Desenvix Energias Renováveis, Nortec Química, Quality Software, CAB Ambiental, Nutriplant e Senior Solution no segmento Bovespa Mais.

Antes dela, a listagem mais recente no Bovespa Mais fora em fevereiro do ano passado, da empresa de tecnologia Quality Software, incentivada a realizar o movimento pelo sócio BNDESPar, braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Das empresas listadas hoje no Bovespa Mais, seis têm o BNDESPar como sócio.

Na fila para uma oferta no Bovespa Mais ainda neste ano, segundo apurou o Broadcast, estão a varejista de materiais de construção BR Home Centers e a Inbrands, dona das marcas Ellus e Hercovitch, mas essas deverão realizar a oferta ao ingressarem no segmento, possivelmente com ancoragem no BNDESPar e também de fundos específicos para pequenas e médias empresas (PMEs), já captados.

O diretor executivo de Produtos da BM&FBovespa, Eduardo Guardia, disse, na cerimônia de listagem da Maestro, que a listagem no Bovespa Mais funciona como uma vitrine do mercado de capitais, para ampliar a visibilidade da companhia. “Não existe uma diferenciação de regras de governança em relação ao Novo Mercado. A única diferença é que há um tempo mais para adequação”, disse Guardia.

Além disso, no ano passado, para tentar incentivar o acesso de PMEs, foi publicada uma Medida Provisória (MP), a MP 651, que dá isenção de Imposto de Renda a pessoas físicas sobre ganhos de capital auferidos na venda de ações de PMEs. Para ser elegível aos incentivos dados pela MP, entre outros pontos, a PME deve ter no momento do IPO um valor de mercado não superior a R$ 700 milhões e receita bruta do exercício anterior à abertura de capital de até R$ 500 milhões. Além disso, a ação deverá ser necessariamente listada no Bovespa Mais ou no Novo Mercado. (Fernanda Guimarães – fernanda.guimaraes@estadao.com)





Maestro Frotas capta R$ 62 milhões com debêntures

A Maestro Frotas, especializada na terceirização e gestão de frotas para empresas, captou sexta-feira R$ 62 milhões por meio da emissão de debêntures, em operação estruturada pelo Banco Modal. Os recursos serão usados para alongar o perfil da dívida da companhia e expandir a frota, disse o diretor-executivo financeiro e de relações com investidores, Carlos Alves.





Maestro recebe aporte de R$ 21,2 milhões de sócios

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo

Lewkowicz, da Maestro, que atua em terceirização de frota: recursos podem ser usados para crescer com aquisições Pouco mais de dois anos após receber um investimento da gestora de fundos Stratus, a Maestro, empresa de terceirização de frota de veículos, obteve um novo aporte de capital dos sócios. A companhia recebeu mais R$ 21,2 milhões em recursos na capitalização, liderada pelo fundo, que desde 2011 é o principal sócio da empresa.

Em um mercado extremamente fragmentado, com 2,6 mil empresas em operação, a Maestro pretende usar os recursos para acelerar o crescimento. E uma das alternativas é por meio de aquisições, segundo Fabio Lewkowicz, fundador e presidente da companhia, que já contratou três assessores externos em busca de potenciais negócios.

O aporte de capital também dará fôlego para o crescimento das operações independentemente de aquisições, diz o executivo. O objetivo é ampliar a frota de 3 mil para 5 mil veículos nos próximos dois anos. A companhia pretende criar um portal de vendas na internet, com o objetivo de ampliar os negócios e, por consequência, conseguir elevar os preços dos veículos usados.

A Maestro registrou faturamento de R$ 55 milhões no ano passado, um crescimento de 25% em relação a 2012. Embora ainda seja relativamente pequeno, trata-se de um negócio com margens elevadas, de acordo com Lewkowicz. Ele não releva os números específicos da empresa, mas diz que o setor possui uma margem na geração de caixa (Ebitda) da ordem de 60%.

A receita do segmento de locação de veículos como um todo registrou expansão de 4,7% em 2013. Nos últimos oito anos, o setor cresce a uma média de 11% ao ano, e com espaço para crescer, segundo o executivo. A estimativa é que menos de 10% da frota das empresas hoje seja locada, patamar muito inferior ao de outros países. “O setor está apenas engatinhando”, afirma.

No caso específico da Maestro, o crescimento vem de uma mudança na atuação nos últimos anos. A empresa, que presta serviços exclusivamente empresariais, passou a atender setores que possuem uma melhor rentabilidade, como os de alimentos e farmacêutico, e também aumentou o valor médio da frota e do aluguel, diz. A companhia buscou ainda uma maior eficiência com a redução no prazo de venda dos veículos usados.

Criada em 2007 a partir do Grupo Aba, rede paulista de concessionárias de automóveis, a Maestro cortou o “cordão umbilical” após a entrada da Stratus, em 2011, segundo Alberto Camões, sócio da gestora. A empresa também criou um conselho de administração com a presença de um membro independente e é auditada trimestralmente.

Com uma governança semelhante à de uma companhia aberta, o plano da Stratus é listar a Maestro no Bovespa Mais, segmento de acesso da BM&FBovespa, mesmo sem realizar uma oferta de ações em um primeiro momento, disse Camões. A expectativa é que a listagem ocorra em 2015, mas o executivo não descarta que o processo ocorra ainda neste ano.

Fonte: Jornal Valor Econômico





Terceirização de frotas cresce em cenário de redução de custos

Por Seminovos.org 

De acordo com estudo recente da ABLA (Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis), a frota do setor de locação cresceu 7,51% em 2011, e o faturamento cresceu 11%, sendo que a maior parte dos locatários está no setor de serviços e na indústria.

Muitas empresas brasileiras estão intensificando medidas de redução de custos diante do cenário de incertezas da economia no Brasil e no mundo. Nesse sentido, a terceirização de frotas corporativas de automóveis tem se acentuado como alternativa para a diminuição de gastos, além de maior eficiência logística. A tendência é constatada pela Maestro, uma das empresas líderes do mercado de locação de frotas corporativas do País.

Alguns fatores, como o aumento no custo de manutenção dos veículos têm onerado a operação de frotas próprias e estimulado a terceirização, além da necessidade crescente de concentrar os esforços e a atenção no próprio negócio, sem ter que se preocupar com todos os encargos e problemas relativos à frota, observa Fábio Lewkowicz, presidente da Maestro.

Na área corporativa, o custo da terceirização de frotas inclusive baixou, tornando a locação ainda mais acessível e favorecendo a tendência à terceirização. Enquanto algumas empresas optam por medidas radicais de redução de custos, outras estão percebendo que a boa gestão da logística é capaz de influenciar muito positivamente nos gastos, além de garantir maior eficiência à operação dessa área, acrescenta Fabio Lewkowicz.

Em algumas empresas, segundo ele, os custos com logística superam até mesmo os custos fabris, dependendo da área geográfica de atuação de clientes e fornecedores. Daí a necessidade de se garantir o máximo de eficiência e racionalização de recursos.

As locadoras de veículos, por terem frota numerosa, fazem melhores negociações com prestadores de serviços (concessionárias e oficinas), e este é um dos motivos pelos quais conseguem diminuir custos com manutenção. Além disso, negociações com companhias de seguro também são otimizadas, pois o alto volume pulveriza riscos (sinistralidade) e existe grande diversificação de setores e regiões. Outro benefício da terceirização de frotas são as equipes especializadas que gerem os automóveis com mais agilidade e com dedicação exclusiva a esta atividade.

Link da matéria: Seminovos





Maestro Frotas supera crescimento do setor de locação de veículos

Por Revista Fator Brasil

Censo da ABLA mostra que o mercado de frotas corporativas é o que mais cresce, e a empresa está investindo para ampliar em mais de três vezes o número de veículos até 2017.

São Paulo – O mercado de frotas corporativas vem crescendo rapidamente no Brasil, impulsionado pela atuação de empresas como a Maestro, uma das líderes desse segmento.

Segundo o recém publicado Censo da Indústria do Aluguel de Automóveis, referente ao ano de 2011, realizado pela ABLA (Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis), a frota do setor de locação cresceu 7,51% em 2011, comparada a 2010, passando de 414.340 veículos para 445.470. Desse total, o segmento corporativo já representa 55% das locações de automóveis, em comparação a apenas 20% do segmento de turismo e lazer e 25% do turismo de negócios. Em 2011, o total de usuários do setor foi de 18,6 milhões comparativamente a 17,7 milhões em 2010.

“A nossa expectativa é que o mercado de frotas corporativas mantenha o ritmo de crescimento, e a Maestro a um patamar de dois dígitos ao ano. Para isso, está investindo R$ 80 milhões na ampliação e renovação da sua frota em 2012”, destaca afirma Fábio Lewkowicz, presidente da Maestro.

A frota da empresa deve chegar a 4 mil veículos este ano, com um incremento de 80% em relação a 2011, e a previsão é ampliar o número de veículos em 350%, alcançando 18 mil no ano de 2017.

Acompanhando o movimento do mercado, a Maestro conta com maior número de veículos locados na cidade de São Paulo. Segundo o censo da ABLA, a frota paulistana, que era de 106.657 em 2009, saltou para 115.568 em 2010 e 126.050 automóveis em 2011. No caso da Maestro, especificamente, a frota está distribuída em quase todos os estados brasileiros, porém com mais concentração nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, que respondem por mais de 80% da frota da companhia.

“Investimos fortemente na gestão do negócio para oferecer um serviço de elevada qualidade e competência, bem como para agregar novos serviços e valor aos nossos clientes. É essa competência integrada que tem permitido a empresas como a Maestro crescerem acima do mercado”, afirma Lewkowicz, ao lembrar que a empresa vem apresentando uma trajetória consistente de expansão.

Este ano, a Maestro expandiu as opções de serviços e inseriu em seu portfólio a terceirização de Caminhões Leves e Motocicletas de baixa cilindrada.

Em 2010, a empresa já havia dobrado o número de veículos de sua frota, que hoje está avaliada em mais de R$ 56 milhões. Cerca de 80% de seus carros são modelos populares, mas a empresa conta com veículos de todos os tipos, incluindo blindados, utilitários, executivos, e atende mais de 80 empresas em todo o Brasil.

A Maestro foi fundada em 2007, e atualmente possui cerca de 2.500 automóveis. A empresa conta com mais de 80 clientes, e é dedicada à locação e gestão de frotas, buscando diferenciar-se pelo alto nível de prestação de serviços e agilidade no atendimento a seus clientes corporativos. [www.maestrofrotas.com.br].

Link da matéria: Revista Fator Brasil





Stratus investe R$ 55 milhões na Maestro

Por Alberto Komatsu | De São Paulo

O fundo de private equity Stratus, com uma carteira de US$ 300 milhões de investimentos sob sua gestão, anuncia hoje um aporte de R$ 55 milhões na Maestro, empresa de terceirização de frota de veículos de São Paulo. É a décima quarta negociação do Stratus desde 1999, ano de sua fundação, com foco específico em empresas de médio porte.

A Maestro tem atualmente 2,4 mil veículos, mas com os recursos do Stratus pretende ter uma frota de 18 mil automóveis nos próximos cinco anos. “Temos olhado esse setor e conversamos com mais de 30 empresas. Procurávamos uma companhia com crescimento rápido para fortalecer essa expansão”, afirma o sócio-diretor do Stratus, Alberto Camões.

O Stratus passará a ter uma posição majoritária na Maestro, “de mais de 50%”, segundo Camões. A Maestro foi fundada pela família Lewkovicz. Esta é dona do grupo Aba, que reúne a Maestro e uma rede de concessionárias de veículos. A Maestro conta com um conselho de administração com cinco integrantes. O fundo terá três cadeiras no conselho e vai nomear o diretor financeiro da empresa, Carlos Alves, que veio da Unidas.

Uma das duas vagas restantes do conselho ficará com a família Lewkovicz. A última deverá ser ocupada por um conselheiro independente, contratado no mercado. Mesmo quando o Stratus tem uma posição minoritária em alguma empresa, Camões diz que sempre é fechado um acordo que dá poder de veto em questões estratégicas, como novos investimentos.

“Praticamente cem por cento dos recursos serão utilizados para a expansão da frota”, diz o presidente da Maestro, Fabio Lewkowicz. O German Investment Corporation (DEG), banco de fomento do governo alemão, é coinvestidor do Stratus na Maestro.

O fundo de private equity tem duas frentes principais de atuação. A primeira é a de aquisições em diversos setores para consolidação (“growth/buyout”), que é o caso da Maestro. O Stratus também atua em investimentos voltados à sustentabilidade (“cleantech”). Em fevereiro de 2010 foram investidos R$ 120 milhões na Amyris, empresa de desenvolvimentos de combustíveis a partir de insumos renováveis.

O grupo Aba, além da Maestro, tem uma rede de sete concessionárias das marcas General Motors, Honda e Harley-Davidson na Grande São Paulo.

A Maestro integra um mercado que movimentou R$ 5,1 bilhões em 2010, segundo dados da Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis, que inclui locadoras de carros e empresas de terceirização de frota.

Embora 100% do seu faturamento, não divulgado, seja gerado pela terceirização de frotas, a Maestro acaba tendo como concorrentes empresas de grande porte como a Localiza, que tem um terço de seus resultados provenientes da terceirização de frota. De janeiro a setembro, a receita líquida da Localiza cresceu 20,9% na comparação anual, para R$ 2,1 bilhões. Em agosto, a Localiza anunciou um investimento de R$ 2,7 bilhões nos próximos 19 meses para a compra de 100 mil veículos, o maior desembolso em 38 anos de atividade.

Pelo menos mais três empresas de terceirização de frota anunciaram investimentos neste ano. Em setembro, a Let’s, de Araraquara, divulgou plano de investir R$ 470 milhões até 2015 para ampliar sua frota dos atuais 6 mil veículos para 10 mil automóveis.

A holandesa Leaseplan também quer aumentar a frota de 7 mil para 20 mil veículos em cinco anos. Com isso, os ativos no país somarão R$ 1 bilhão. A Arval, controlada pelo banco europeu BNP Paribas, planeja encerrar 2011 com 10 mil veículos, mas sua meta é desembolsar R$ 823 milhões para ter 25 mil unidades até o fim de 2013.

Link da matéria: Valor Econômico





Maestro investe R$ 80 milhões em ampliação da frota

Por Equipe Último Instante

A Maestro, uma das principais empresas que atuam no mercado de locação de frotas corporativas, está investindo R$ 80 milhões na ampliação e renovação da sua frota em 2012. A programação é incorporar mais 2.000 veículos e trocar outros 1.000, elevando sua frota para 4.000 veículos este ano.

“Estamos dando andamento ao plano de contar com 17 mil veículos em nossa frota nos próximos cinco anos”, afirma Fábio Lewkowicz, presidente da Maestro, empresa que mais cresce neste segmento.

Outra novidade é que a Maestro decidiu incorporar motos e caminhões leves à sua frota, composta até agora por automóveis e utilitários. “Vamos diversificar a frota, passando a oferecer esses veículos, cuja demanda é crescente”, conta Fábio.

Ele observa que, no caso dos utilitários, o objetivo é atender a procura gerada pelas restrições à circulação dos VUCs (Veículos Urbanos de Carga). No caso das motos, a Maestro passa a ser uma das poucas empresas do segmento de locação de frotas corporativas a disponibilizar veículos de duas rodas, cuja procura vem crescendo como alternativa ao trânsito pesado das cidades.

Cerca de 80% da frota da Maestro é composta hoje por carros populares, mas a empresa conta com veículos de todos os tipos, incluindo até blindados. Em 2010, a Maestro já havia dobrado sua frota – avaliada hoje em R$ 60 milhões.

Empresa se associa à ANAV

A Maestro é a nova associada da ANAV – Associação Nacional de Empresas de Aluguel de Veículos e Gestão de Frotas, entidade que reúne empresários, executivos, diretores e sócios das maiores empresas do setor de locação de veículos. Segundo Fábio Lewkowicz, a decisão de se filiar à entidade também se insere no contexto de crescimento da empresa e da necessidade de acompanhar de perto questões relevantes do setor e que influenciam a atividade.

Link da matéria: Último Instante





Grupo Stratus compra empresa de terceirização de frotas

Por Equipe AE

São Paulo – O Grupo Stratus, empresa brasileira de private equity, anunciou hoje o investimento de R$ 55 milhões na empresa de terceirização de frota Maestro, que possui hoje cerca de 2.400 veículos. Com o negócio, o fundo passa a deter o controle acionário da empresa.

Segundo comunicado divulgado hoje, a Maestro tem uma frota avaliada em R$ 60 milhões e, neste ano, deve registrar um aumento de Ebitda (lucro antes dos impostos, juros, depreciação e amortização) de cerca de 80%. Fundada em 2007, a Maestro atende aproximadamente 70 clientes corporativos e pretende atingir uma frota superior a 15.000 veículos nos próximos anos.

O negócio é a mais nova operação do Grupo Stratus no segmento de Middle market private equity e tem também a participação da DEG, a Instituição Financeira de Desenvolvimento Alemã, como coinvestidora.

“A Maestro teve elevado crescimento desde sua fundação e a associação com um grupo de private equity, como o Grupo Stratus, traz como benefícios não apenas a injeção de capital, mas governança e disciplina financeira”, afirmou no comunicado Fabio Lewkowicz, fundador da empresa, que continuará como principal executivo da Maestro.

Entre as ações que serão realizadas para reforçar a atuação da Maestro está a abertura de novas filiais, com expansão da equipe gerencial. O setor de locação de automóveis no Brasil, que conta com cerca de 2.000 empresas, registrou crescimento de 17% em 2010. Nos últimos seis anos, o segmento manteve uma taxa média anual de crescimento de 11%, segundo dados da Associação Brasileira de Locadoras de Automóveis (Abla).

Link da matéria: Veja – Abril

Maestro Frotas